Home / Espaço do Médium / Como a Umbanda entrou na minha vida

Como a Umbanda entrou na minha vida

Eu imaginava que minha fé não existia, sempre ouvi muito falar sobre essa tal de Fé e nunca a senti (ou talvez não estava tão conectada com as forças superiores).

Por isso frequentei quase todas as religiões, em busca de fé: fui Testemunha de Jeová durante anos (até pregava aos domingos na porta das pessoas), frequentei a Igreja Universal, Congregação Cristã, Templo Budista, Comunidade Filadélfia, Igreja Católica, Candomblé, Quimbanda e nada… 

Porém sempre, em todas elas, eu me sentia como um peixe fora d’água, tentava interagir mas nunca senti que estava no lugar certo. Até me sentia bem, mas nenhum daqueles lugares era O MEU LUGAR.

Até que um dia desisti de ir a qualquer outro lugar, pois achava que eu não tinha um lugar, pois como dizia minha vó eu só fazia orações quando a “água batia na bunda”, aí sim eu dobrava os joelhos e pedia a Deus, mas eu só sabia pedir!

Em meados de Outubro de 2016 aconteceram coisas muito estranhas, coisas que jamais imaginei fazer magoando a mim mesma, a pessoas queridas e meus amigos. Magoei pessoas, apontei erros, falei verdades que nunca deveriam ser ditas… Fico triste ao lembrar.

Um dia resolvi desabafar com um colega de trabalho, que por sua vez é médium, na hora nem sabia por que eu estava contando tudo aquilo a ele, afinal não tínhamos tanta intimidade para expor fatos da minha vida que me envergonhava.                                                   

Ele ouvia e fazia várias caras e bocas. E ele concluiu o que eu já imaginava: que eu estava com problemas espirituais e precisava de ajuda, que muito provavelmente eu tinha mediunidade e precisava desenvolver. Foi aí que ele me passou o contato da Mãe Carol de Ogum. Passaram alguns dias, conversamos e ela me convidou a ir conhecer o Terreiro Caboclo Akuan.

Em 22 de Novembro de 2016, foi o dia em que tudo mudou em minha vida, mudou para melhor. Dia em que fui muito bem acolhida, parecia que já conhecia todos a muito tempo, parecia que estava na casa de um parente que há muito tempo não via.  A energia, os olhares, os sorrisos… Tudo me encantou e a cada dia que passa me encanta e me alegra ainda mais.

Hoje faço parte da corrente de médiuns, mas me sinto um bebê em evolução, aprendendo a andar, a cada passo que dou sinto que estou no caminho certo, caminho esse de luz, bondade, generosidade.

Agradeço a esse colega de trabalho, o Samyr, que hoje se tornou um grande amigo, meu padrinho no terreiro e também meu irmão de corrente (mas isso é outra história para ele contar rsrs). Agradeço por ter conhecido a Mãe Carol de Ogum, acho que sem vocês eu não estaria onde estou, valeu por escutar minhas lamúrias.

Agradeço a minha mãe de santo por me receber e acolher como sua filha, agradeço aos meus irmãos de corrente pelo apoio, respeito e carinho que temos um pelo outro. 

Hoje tenho uma família linda, cheia de fé, luz e axé.

A palavra de agora é GRATIDÃO.

Luz e axé a todos!

Texto de Ingrid Gonçalves – Médium do Terreiro Caboclo Akuan – 21/02/2017

Deixe uma resposta